quarta-feira, 15 de julho de 2009

Homens e cães

Uns sentem compaixão e compreensão pelos cães, outros pelos animais como um tôdo. Eu confio e amo a humanidade tanto como confio e amo os cães. E justamente por isso caio na retórica de me considerar diferente, embora eu realmente acredite nisso - mas para os outros é retórica. Por causa disso, vivo me decepcionando, pois embora isso esteja incrustado em minha natureza, homens aparentemente não foram feitos para serem amados. Muitos confiariam sua própria vida a um animal que, embora não pudesse salvá-lo ou curá-lo, ao menos permaneceria ali até o fim junto com ele, do que a uma pessoa. Eu confiaria a ambos, homens e cães.

Animais, e em especial os cães, são o supra sumo da honestidade, por não raciocinarem como os homens, e portanto não esperarem nada em troca, nem mesmo o próprio amor retribuído, coisa que os homens fazem muito bem.

Abaixo da fina superfície de amor, alegria e hospitalidade humanas, há todo tipo de podridão. Pessoas se agarram à quem lhes demonstra amor, para sugar-lhes toda energia e, satisfeitos, partirem para o próximo porto. Pessoas traem porque querem trair, porque houve uma história muito complexa na qual foi envolvido e, ao contar essas histórias, conseguem se auto imputar a condição de vítimas, quase sempre das circunstâncias, e assim, saírem ilesos e amados.

Pessoas envelhecem e, ao envelhecer, se tornam mais abertos à realidade da condição humana. E vão para a casa de seus filhos e netos, ou para asilos ou hospitais. E quando os visitamos, nossos corações se enchem de empatia, misericórdia e amor. E muitas vezes fazemos isso por pessoas que feriram, magoaram, traíram, deturparam ou mesmo mataram. E alguns, sequer se arrependem.

Sou um idealista, abomino a injustiça, a miséria e a violência humanas. Viro as costas frequentemente aos dignos de desprezo, mas me abro lentamente às pessoas que vou conhecendo, na esperança de que tenha encontrado um ser humano digno. E com essas atitudes, conheci alguns. Poucos.

Tão dignos quanto os cãezinhos.

Nenhum comentário: