sexta-feira, 19 de junho de 2009

Coisas do companheiro Lula

Lula anda falando mais ultimamente. Mas o problema não é esse. O problema é que a relação de merdas por frase proferida aumentou de maneira desproporcional, exponencial. Antes falasse menos e mais acertadamente.

Eu votei nele, gosto do cara... acho que ele um bom presidente, mas chega. Já deu o que tinha que dar. Acompanha abaixo algumas das pérolas proferidas só nos últimos dias. E como não sou injusto, alguns acertos.


Desmatamento
19/06 - "Não se pode chamar de bandido quem desmatou".
Aqui ele está certo, considerando o contexto, em que ele também afirma que se deve conscientizar a sociedade que o desmatamento “joga contra” o País e deve ser evitado. Os produtos perdem preço lá fora porque o mundo está com os olhos na Amazônia. E ele está certo também porque todo o primeiro mundo de hoje eliminou suas florestas ainda na idade média (ou você acha que é só no Brasil que existia floresta?). Agora querem que cuidemos da nossa. Ok. Vamos cuidar. Mas isso não deva ser algo que nos mantenha na pobreza.

Passagens aéreas para terceiros pagas com dinheiro público
01/05 - "Não vejo onde está o tamanho do crime em o sujeito levar a mulher para Brasília."
Ele está errado. Cada centavo extra pago em despesas dos poderes públicos sai diretamente do nosso bolso. E tem muita gente que não tem o que comer amanhã cedo. O custo de uma passagem dessa manteria algumas famílias inteiras que eu conheço se alimentando por 2 ou 3 meses.


Escândalo de contratações secretas
17/06 - "O Sarney tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse uma pessoa comum."
Ele está errado. Ninguém está acima do bem ou do mal. Qualquer pessoa está sujeita às leis e pronto. Não que Sarney tenha cometido crime ele propriamente, mas como presidente do Senado, não pode querer que pensemos que ele não soubesse sobre a contratação secreta de parentes próximos a rodo no Senado, em cargos altamente remunerados. Isso sem falar de tantas outras negras histórias desses tais de Sarneys.

Economia I
17/06 - "Ficamos mais 'iguais' depois da crise"
Ele está certo usar de ironia na medida certa. Ele está falando que curiosamente, aqueles que impunham métodos para condução da economia no passado, aos países que precisavam de dinheiro, são os mesmos que agora colocam mais cadeiras nas mesas de negociação para encontrar caminhos para resolver os problemas econômicos do mundo. Resumindo: os países ricos nunca dividiram o lucro, mas agora se abrem para dividir o prejuízo.

Economia II
26/03 - "A crise foi causada por 'gente branca de olhos azuis'"
Ele está errado, pois exagerou na ironia. Foi preconceito puro, e logo dele, que é vítima de preconceito todo santo dia. Foi um comentário infeliz e constrangedor. Há aficanos, asiáticos, americanos, europeus e sulamericanos em todas as esferas dos conglomerados econômicos globais.

Economia III
04/10/2008- (Sobre a crise) - "Lá, ela é um tsunami; aqui, se ela chegar, vai chegar uma marolinha que não dá nem para esquiar. "
Nessa ele se arriscou, na verdade. Errou em resumir de maneira tão pobre a crise, mas como a intenção era tranquilizar os mercados, o empresariado e a população, pode-se dizer que ele conseguiu pelo menos suavizar algumas expectativas. E por ter se arriscado, vai colher agora as consequências de uma possível recessão no Brasil - o que prova que não era nenhuma marolinha.

Eleições no Irã
15/06 - "Eu não conheço ninguém, a não ser a oposição, que tenha discordado da eleição do Irã. Não tem número, não tem prova."
Ele está errado. Porque não há provas de fraude, mas também há indícios de manipulação eleitoral. Quando uma instituição quer fraudar, não sai tirando fotos para documentar. Basta ver a reeleição do FHC, em tese a maior fraude eleitoral de toda a história do Brasil. Mas todos votaram nele e o reelegeram, democratica e legalmente. Mas toda essa estrutura "democrática" foi construída encima de fatos altamente obscuros. E há provas?

Esqueci alguma em especial?

Nenhum comentário: