quinta-feira, 23 de abril de 2009

Relacionamentos 2

A morte do Chagas
O funcionário de uma agência funerária está examinando os corpos antes destes serem sepultados.
Examina um corpo, identificado como José Chagas, que está pronto para ser cremado, e descobre que o defunto tem o maior pênis que ele já viu na vida.
- Desculpe, Sr. Chagas - (falando consigo mesmo) - Mas não posso mandá-lo para o crematório com essa coisa enorme. Ela tem que ser conservada para a posteridade!
Com um bisturi, remove o pênis do morto, guarda-o num frasco e vai para casa.
A primeira pessoa a quem ele mostra a monstruosidade é sua mulher.
- Tenho algo inacreditável para te mostrar, querida. Vôcê nem vais acreditar!
Depois, abre o frasco e... ao ver o conteúdo, a sua mulher grita, estarrecida:
- Oh, céus! O Chagas morreu!

Oops...
No bar de sempre, o sujeito encontra o amigo cheio de hematomas, sentado em um canto.
— Kléber? O que aconteceu, cara?
— Putz, é que ontem eu apertei o peito da minha mulher e levei uma surra.
— O quê? — grita ele, assustado — Ela ficou louca? Quando eu aperto o peito da minha mulher ela fica excitada, me faz carinho, aí começa né...
— É... Mas aposto que não foi com a porta do carro...

Respeito com o velório
O sujeito estava no boteco tomando umas cachaças, jogando baralho com mais três amigos, quando vê um enterro passando pela rua.
Mais que depressa ele interrompe o jogo, levanta-se, vai até a porta, tira o chapéu e fica observando o cortejo, durante vários minutos, em silêncio, com semblante visivelmente entristecido.
Quando a comitiva termina de passar, ele recoloca o chapéu na cabeça e volta a sentar-se.
— Esse foi o gesto mais comovente que eu já vi em toda a minha vida! — comenta um dos amigos. — Acho que todos deviam seguir o seu exemplo.
— Bem, depois de quinze anos de casado, acho que era o mínimo que eu podia fazer!

Veneno, só com receita
A mulher chega na farmácia e fala:
— Eu quero o veneno mais forte que você tem aí!
— Mas minha senhora, eu não posso te vender veneno!
— Não quero saber... Eu quero o veneno e pronto!
— Mas pra que a senhora quer o veneno?
— Pra quê? Meu marido sai com todas as mulheres do bairro... É um safado, sem vergonha...
— Piorou minha, senhora! Não posso vender algo que vai tirar a vida de uma pessoa!...
A mulher abre a bolsa e tira uma foto do seu marido abraçadinho com a mulher do farmacêutico.
— Olha só... Meu marido e tua mulher agarradinhos! Tem certeza que não vai me vender mesmo?
— Ah bom! Por que a senhora não disse logo que tinha a receita?

Tática
O casal dormindo numa boa, alta madrugada quando, do nada, a mulher acorda o sujeito, com aquela cara de terror:
— Foge! Foge! — grita a mulher, desesperada — Deve ser o meu marido!
O cara nem pensa: dá um pulo da cama peladão, e rapidamente pula pela janela.
Depois de cair em cima de um arbusto, ele volta, muito irritado:
— Bandida! O seu marido sou eu!
— Ah, é? — pergunta ela, sarcástica — E você pulou pela janela por quê?

Falar a verdade é importante
O sujeito tinha quatro filhos, três bonitos, fortes e saudáveis e um, o mais novo, que se chamava Josias e era mirradinho, raquítico, todo estropiado.
Viveu a vida toda, desconfiando da mulher, mas nunca tivera coragem de tocar no assunto, porém, já em seu leito de morte, desabafa:
— Meu amor... Eu gostaria de saber se o Josias é realmente meu filho.
— Ah, querido...
— Por favor, não minta pra mim. Se não for, não tem problema... Eu te perdôo desde já. Eu só queria saber a verdade...
— Sim, querido. — responde a mulher. — Você é o pai de Josias sim, juro por tudo o que é mais sagrado...
— Puxa, que bom ouvir isso... — solta o seu último suspiro e morre.
E a esposa, aliviada:
— Ufa... ainda bem que ele não perguntou dos outros três!

Nenhum comentário: