segunda-feira, 7 de abril de 2008

Pseudo-democracia

Notícias aparentemente superficiais como esta (clique aqui) se revelam de uma profundidade assutadora. Na notícia o clérigo Moqtada Al-Sadr se dispõe a desfazer seu imenso exército miliciano SE essa for a vontade dos demais clérigos xiitas.

Isso me faz pensar sobre a essência da democracia. Segundo a teoria a democracia é o poder do povo, sendo exercido pelo povo, e em benefício do povo. Perfeito!

Eu entendo que a democracia é a expressão coletiva de uma postura individual. Cada cidadão tem que ser um democrata, para que um País possa ser chamado de democrático. E para ser um democrata toda pessoa precisa ter em sua essência algumas coisas importantes:

- Senso crítico para avaliar o melhor caminho, a melhos escolha, e se proteger de enganadores;
- Grandeza de caráter para conquistar vitórias com humildade e respeito a opositores;
- Maturidade e paciência para reconhecer a derrota e oferecer oposição sem promover destruição;
- Amor pelo bem comum, consciência de que este é de todos, inclusive dos que hão de vir.

A notícia acima coloca bem à mostra como a humanidade atual administra suas "democracias".

O clérigo muçulmano xiita (e ser um, por si só já eleva um homem à qualidade de um semi-deus, ainda que os muçulmanos não o admitam) possui uma influência imensurável sobre seus seguidores, até porque estamos falando de um regime cujo questionamento em certas localidades beira ao suicídio. Um povo que vota na pessoa que o líder indicar.

Portanto uma democracia só funciona quando as pessoas são livres para pensar e escolher. Mas as pessoas gostam de ser manipuladas, elas praticamente imploram que um líder escolha por elas. E dependendo da influência desse líder, raramente este terá suas orientações questionadas!...

É muito tentador à pessoa que lidera um grupo, manipular a opinião dos seus liderados. Por isso é que assusta ver um ou outro líder berrando coisas contra americanos (e nao estou dizendo que ele não sejam democráticos), ou um governo como o americano enfiando seu poderio imperial goela abaixo de um povo paupérrimo e miserável como o do Iraque (logo ele que se diz democrático).

E no Brasil?

No Brasil então, a democracia é um paradoxo! Ao mesmo tempo em que se têm instituições claramente definidas e conceitualmente fortes, elas estão repletas de gente incompetente, manipulada e interesseira.. saindo pelo ladrão!... As grandes decisões ficam na mão de um único homem, que por sua vez não tem como supervisionar sequer o trabalho de seus ministros mais próximos. Que por sua vez não têm como supervisionar, fiscalizar e nem cobrar o trabalho da hierarquia abaixo de si. Que por sua vez nada no dinheiro público - grande troféu da democraria brasileira.

Veja o exemplo do congresso e do senado. A maioria dos deputados federais que o povo elege atualmente não é capaz de exercer sequer um bom nível de senso crítico, vários não possuem diploma superior, muitos estão envolvidos em esquemas subversivos, inclusive assassinatos, estelionatos e roubo... Esses são os homens que, ao chegar ao congresso "completam a bancada", ou seja, formam o número para os movimentos que, via de regra, são gerenciados sempre pelos mesmos 20 ou 30 políticos altamente tarimbados e conhecedores do jogo.

Aí, nós chamamos nosso País de democrata. Será? Só porque votamos e elegemos nosso presidente? Será que o presidente é o verdadeiro dono do poder nesse País? Será que um presidente governa do povo, pelo povo e para o povo?

A democracia é um conceito utópico, porque requer a plena consciência de cada cidadão sobre sua importância para o próximo, através das gerações. E nem eu nem o próximo sabemos nos comportar democraticamente.

---

Isos me lembra o casamento de um amigo meu. A mulher manda e ele obedece.

Superdemocrático isso.

Nenhum comentário: