sábado, 1 de abril de 2006

visão de futuro - parte II

Estranhamente, apesar de todos os seres humanos terem se tornado obesos, a média de vida subiu. Graças a artifícios, claro. Hoje, em 2.200 DC, temos o orgulho de dizer que nossa ciência evoluiu tanto que podemos nos dar o prazer de viver carregando miseravelmente nossos imensos corpos por 120 anos. Em consequência desse bombardeio químico, novas doenças surgiram, e outras milenares ganharam reforço. Mas nossos cientistas irão der um jeito, com certeza.

Não tivemos escolha. A comida é escassa. Comemos muitos suplementos, geneticamente "melhorados" para que as plantações tenham o máximo de rendimento possível. Não podemos perder uma única semente. A água se tornou o maior patrimônio da humanidade, seguido de longe por ouro, pedras preciosas e outros itens de menor valor. Até o petróleo ficou muito para trás, pois o pouco que sobrou é de má qualidade e seu uso está todo voltado para a indústria química.

Petróleo... eu me lembro do tempo em que o petróleo era usado como combustível nos automóveis. Que coisa mais antiga, atrasada. Hoje os carros andam movidos a energias renováveis. Como a solar e o hidrogênio. O boom se deu no dia que aquele brasileiro (como é nome dele mesmo?) inventou aquela genial e engenhosa célula, capaz de gerar mais energia do que consome.

Pena que não temos mais direito de possuir nosso próprio automóvel. A coisa agora é coletiva, é tudo no coletivo. Vamos, voltamos, nos deslocamos... em todo lugar que quisermos, mas nunca com nosso próprio automóvel. Só nos automóveis coletivos. Com 20 bilhões de habitantes na terra, todo mundo obeso, não dá pra certas regalias, concordo.

Nenhum comentário: