quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Voar

Passamos uma vida presos, qual pássaros em suas gaiolas!

Medo de amar, de olhar a vida de frente...

E naquele pequeno espaço, cantamos nossas dores e sonhos!

Muitas vezes, as portas de nossas gaiolas se abrem...

Mas permanecemos ali, acostumados, encolhidos as nossas vontades e sonhos!

Não tenha dúvida, à primeira oportunidade, vc deve alçar o vôo dos falcões,

Calma, confiante, determinado!

Ame sem medo, brinque um pouco com a vida!

Não tenha medo dos rochedos e sobre eles, estenda a sua asa corajosa de falcões!

Solte-se ao vento, e deixe-na, levá-lo ao sonho!

Como o Condor, tente enxergar as pequeninas coisas a sua volta e saber apreciá-las,

Dando um sentido novo a sua vida!

Não seja passarinho de gaiola, mas, Falcões e Condores do céu!

A cada dia existe uma renovação constante, e nunca um será como o outro...

Não há dores eternas, lágrimas eternas, perdas eternas!

Há sorrisos, esperando-lhe, dias de sol, o abraço dos amigos,

Dos filhos e tantos sonhos lindos!

Um amor lhe espera, para com você,

Voar, voar...

Porque a vida é um recomeçar diário de um vôo!

E gaiolas não foram feitas para pássaros....

Tão pouco para Falcões!

Autor desconhecido.

Valores

Este é o meu primeiro post após quase um mês, em que minha vida mudou para sempre.

Neste período aprendi...

... que há pessoas a quem você atribui o maior valor que se revelam seus algozes
... que há pessoas que você julgava inocentes que se mostram culpados
... que há pessoas que você julgava te amar, que na verdade desejam seu fim
... que há pessoas por quem você daria sua própria vida, que se mostram indignas da sua própria
... que há pessoas em quem você confia que não são merecedoras dessa confiança
... que há pessoas que carregam maldições através da vida sem nunca conseguir se livrar dela
... que há pessoas que na aparência são virtuosas mas que se revelam podres como túmulos.

Mas também...

... que há pessoas que você mal conhece que se mostram seus maiores amigos
... que há pessoas que você julgava fracas que se revelam fortes
... que há pessoas a quem você não valorizava que são nobres por excelência
... que há pessoas que você julgava distantes que estão pertinho de você, na verdade

E que vale muito mais a virtude do que os defeitos.
E que vale muito mais a honra do que a leviandade.

segunda-feira, 27 de novembro de 2006

A velha

A velha escreve suas cartas ao amor perdido no passado
Escreve suas poesias como se lá se pudessem lê-las
Lança suas palavras em direção ao tempo como se fossem flechas
Tenta atingir o corpo de quem cria os sonhos
ou ressuscitar a esperança de um amor sincero.

Se os matasse talvez descansaria de seus devaneios
De uma felicidade possível numa rota alternativa da realidade
Que fendeu-se num instante pequeno, perdido entre um sim e um não
perdido entre um momento ínfimo de tempo em que houve dúvida
em que houve exitação.

"Um minuto..." - pensa a velha, acorrentada naquele momento maldito
"...e toda uma vida se perde, toda uma vida se paralisa."
Separada pela eternidade, a sonhar com o beijo interrompido
Com o prazer nunca alcançado, e com o futuro despedaçado.

domingo, 26 de novembro de 2006

Por querer

Sandro

Eu te amei, te amo e te amarei
Te amo tanto e muito mais que a mim
Te amo tanto que não digo sim
Te amo tanto que já nem mais sei

Te amo tanto que escolherei
Voar nas asas de um querubim
Voar para muito longe, e assim
teu triste pranto não prolongarei

Te amo tanto que prefiro ser
O homem feio que agora faz sofrer
Do que o que te fere a cada dia

Te amo e sei que me amaria
Seu tu soubesses que esta alma fria
É a mesma alma que ama você.

sábado, 18 de novembro de 2006

Amor?

Será que há amor no teu coração
O suficiente pra cuidar de mim
O suficiente pra dizer que sim
E que seja maior do que tua razão?

Será que há amor no teu coração
Que tudo, mesmo, possa suportar?
Que realmente possa revelar
Os caminhos em meio à escuridão?

Eu quero crer em um amor assim
Que haja entre um homem e uma mulher
Que traga o "feliz" para junto do "fim"

Quero ver nascer... e quem não quer?
Saber que existe um tal amor assim
Que haja entre um homem e uma mulher.

sexta-feira, 17 de novembro de 2006

imperfeito

A vida é muito imperfeita. Eu não consigo entender sua lógica. Talvez a lógica da própria vida seja não ter lógica e eu é que fico insistindo em encontrar isso nela.

A rota imperfeita da história parece navegar entre canais e sulcos, como a água ocupa aleatóriamente os espaços pelo caminho aonde escorre. Mas mesmo a água escorrendo pelo chão segue uma lógica - a dos espaços disponíveis - enquanto a vida parece não seguir nenhuma.

Eventos novos acontecem o tempo todo, aparecem inesperadamente: uma paixão, uma morte, uma doença, uma oportunidade - às vezes perdida, uma escolha necessária - às vezes errada.

E na parte das escolhas eu costumo tentar seguir a lógica da razão, e não do coração. Será que eu aprendo um dia?

domingo, 5 de novembro de 2006

amor

O amor é minha fonte de vida
Minha fonte de inspiração
O próprio ar que eu respiro.

As coisas que eu vejo no cotidiano,
Consigo enxergar nelas o toque do amor.

sexta-feira, 3 de novembro de 2006

perfeição


Renato Russo

Vamos festejar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja de assassinos
Covardes, estupradores e ladrões
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação
Celebrar a juventude sem escolas
Crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar eros e thanatos
Persephone e hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade
Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras e sequestros
Nosso castelo de cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia e toda a afetação
Todo roubo e toda a indiferença
Vamos celebrar epidemias:
É a festa da torcida campeã
Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar um coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos o hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
E comemorar a nossa solidão
Vamos festejar a inveja
A intolerância e a incompreensão
Vamos celebrar a violência
E esquecer da nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isso
Com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção
Venha, meu coração esta com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça:
Venha que o que vem é perfeição...

terça-feira, 31 de outubro de 2006

labirinto

Soneto da separação - Vinícius

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.


De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.


Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

quarta-feira, 25 de outubro de 2006

o que move o mundo

eu sei porque o mundo gira
sei porque as coisas acontecem
porque o vento sopra,
os homens caminham,
perseguem alvos iamginários
porque choram as moças
porque lutam os moços.

eu sei.

é por causa do amor.

segunda-feira, 23 de outubro de 2006

O amor

Sandro Beraldo

Tão complicado e tão simples
tão simples e tão complicado
a ciência exata do querer ser feliz
a arte de amar e ser amado...

Faz do luto, o nascer do sol dourado
faz do grito, um silêncio apreciável
faz do medo, um prazer inexplicável
faz do cinza, um arco-iris encantado.

O amor, tão de repente revelado
Descoberto num lugarzinho isolado
bem na cara, diante do nariz

Quem o encontra, acaba salvo por um triz
Acha o caminho para finalmente ser feliz
Descobre o gôsto de amar, e ser amado...

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

morte

Coisa nojenta, a morte...
Coisa podre.
Radical, intolerante.
Arranca sonhos,
despedaça almas,
interrompe amores...
Odiada de todos,
não se importa...
Arrogante,
estúpida,
grosseira...
Maldita.
Um dia maldita morte
Você também conhecerá sua derrota...
Maldita!

triste

terça-feira, 10 de outubro de 2006

djavan existe?

Flor Do Medo

Venha me beijar de uma vez
Você pensa demais
Pra decidir
Venha a mim de corpo e alma
Libera e deixa o que for
Nos unir
Não vá fugir mais uma vez
Vença a falta de ar
Que a flor do medo traz
Tente pensar
Pode até ser mau e tal
Mas pode até ser
Que seja demais
Tudo vai mudar
Posso pressentir
Você vai lembrar e rir
Alguma dor
Que não vai matar ninguém
Pode ser vista e nos rondar
Não precisa se assustar
Isso é clamor
De amor
Venha me beijar de uma vez
Feito nuvem no ar
Sem aflição
Venha a mim de corpo e alma
Libera a paz do meu coração
Não vá se perder outra vez
Nesse mesmo lugar
Por onde já passou
Tente pensar
Pode até ser sonho e tal
Mas pode até ser
Que seja o amor

segunda-feira, 2 de outubro de 2006

novo congresso

Vendo o festival de ilustres conhecidos e desconhecidos com capacidades intelectuais no mínimo questionáveis e experiência com política, direito e administração mais questionável ainda, começo a me indagar se a democracia não seria um conceito puro, que na prática se revela apenas isso mesmo: um conceito.

Pois a democracia me parece democracia somente até o momento em que duas coisas menos utópicas e idealistas entram no jogo: GRANA e MÍDIA (não necessariamente na mesma ordem).

Quando esses dois caras entram em jogo, sucumbem os ótimos e elevam-se os medíocres, ainda que nem todos os elevados sejas medíocres e que (Ufa! Pelo menos isso!) nem todos os que sucumbem sejam ótimos.

Tem mais coisas envolvidas nessa questão, mas vamos ficar só com esses dois, afinal são os principais mesmo.

Mas... aproveitando a onda de "democracia" que varreu nosso surreal País - e até para ilustrar o que eu penso - quero aproveitar o ensejo para divulgar uma bem possível composição da Câmara Federal:

Clodovil
Fernando Collor
Zeca Pagodinho
Rogério Ceni
Falcão
Roberto Justus
Jerry Adriani
Edmundo animal
Tiririca
Paulinho da Viola
Marcelinho Carioca
Leão Lobo
Bruno
Marrone
Caio Mesquita
Agnaldo Rayol
Rita Cadilac
Ferrugem
Tom Cavaltanti
Gugu Liberato
Zeca Camargo
Guga
Zezé di Camargo
Luciano (também, por que não?)
Ana Maria Braga
Preta Gil
Didi Mocó Sonrisal Calesterol Novalgina Mufumo
Luciano Huck
Paulo Maluf
Caetano Veloso
Róquêêêêê
Bartô Galeno
Reginaldo Rossi
João Gordo
Raul Gil
Raulzinho
Evandro Mesquita
Wanderley Luxemburgo
Silvio Santos
Roberto Carlos
Leonardo
ACM

domingo, 24 de setembro de 2006

djavan não existe


Um amor puro

O que há dentro do meu coração
Eu tenho guardado pra te dar
E todas as horas que o tempo
Tem pra me conceder
São tuas até morrer

E a tua história, eu não sei
Mas me diga só o que for bom
Um amor tão puro que ainda nem sabe
A força que tem
é teu e de mais ninguém

Te adoro em tudo, tudo, tudo
Quero mais que tudo, tudo, tudo
Te amar sem limites
Viver uma grande história

Aqui ou noutro lugar
Que pode ser feio ou bonito
Se nós estivermos juntos
Haverá um céu azul

Um amor puro
Não sabe a força que tem
Meu amor eu juro
Ser teu e de mais ninguém
Um amor puro

segunda-feira, 18 de setembro de 2006

Aliás por falar em política

Indigne-se com isso, você também:

Uma criminosa perda de tempo

Ô tristeza.

Pobre Brasil

Não quero Lula, nem quero Alckmin. Ambos representam o que de mais pôdre existe na política brasileira em todos os tempos.

Alckmin tem um grupo maligno por trás, gente que representa o que de pior existe na política brasileira, gente que vendeu quase todo o patrimônio do nosso País por um dinheiro que nunca apareceu. ACM, FHC, Bornhausen, José Virgílio, Antero... aff... que casta...

E o que falar do Lula? Não tem nem como comentar. É um sentimento de decepção muito grande, pois eu votei nele cheio de esperança na primeira vez, crendo que ele seria uma figura que faria dobrar essa elite carniceira que fica com a riqueza toda do País sem pensar em distribuir, em especial essa corja maldita que coordena os bancos no Brasil. Mas o que eu vejo na periferia é a multiplicação da miséria. E em ritmo acelerado.

Mas o Lula prosseguiu sem um projeto de País. Sem um projeto determinado de desenvolvimento, de educação, de pesquisa, de transformação da realidade do noss País. Ele tinha sim um projeto, mas de poder, como agora é conhecido. E vai ganhar de novo.

Mas para quem está acostumado a ver alguns bandidos da pior espécie renunciando e voltando sorrindo... só nos resta nos resignar.

Meus filhos não têm educação decente, saúde decente, polícia decente, serviços públicos decentes, por causa dessa gente bandida. Ô tristeza.

sexta-feira, 15 de setembro de 2006

frases sobre amor - ou que têm a ver

Leia com os olhos do coração.

A melhor definição do amor não vale um beijo.
Machado de Assis

O amor não consiste em um olhar para o outro, mas sim de olharem juntos para a mesma direção.
Desconhecido

Descobri que o amor sem limite é a medida certa do amor.
Roberto Carlos

Um grama de ação vale mais do que uma tonelada de teoria.
Engels

Há mais pessoas que desistem do que pessoas que fracassam.
Ford.

Somos aquilo que fizemos repetidamente.
Aristóteles

A grandeza não consiste em receber, mas em merecer.
Aristóteles

Não existe acaso.
Voltaire

Dominar é fácil. Reinar é que é difícil.
Goethe

Quando todos estão contra você quer dizer que você está absolutamente errado, ou absolutamente certo.
Guinon

Grandes almas sempre encontraram forte oposição de mentes medíocres.
Albert Einstein

Possa você viver todos os dias de sua vida!
Jonathan Swift

O desejo para fazer, a alma para ousar.
Walter Scott

Escreva suas mágoas na areia, mas sua gratidão no mármore.
Benjamin Franklin

É mais fácil perdoar um inimigo do que um amigo.
William Blake

Quando erguemos a vista não vemos fronteiras.
Provérbio japonês

A neve e a tempestade matam as flores, mas nada podem contra as sementes.
Khalil Gibran

Ter problemas na vida é inevitável, ser derrotado por eles é opcional.
Roger Crawford

Em cada um de nós há um segredo, uma paisagem interior com planícies invioláveis, vales de silêncio e paraísos secretos.
Saint-Exupéry

O essencial é invisível aos olhos; só se vê bem com o coração.
Saint Exupéry

Não compreendemos o amor nem a loucura pois ambos se completam.
Esaú Wendler

O amor é o único jogo no qual dois podem jogar e ambos ganharem.
Erma Freesman

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.
Luiz Fernando Veríssimo

A verdade é a fortaleza dos inocentes.
Igor Pfeifer

O único homem que não erra é aquele que nunca faz nada.
Roosevelt

Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para a fogueira.
Leão Tolstoi

Não acrescente dias a sua vida, mas vida aos seus dias.
Harry Benjamin

Quando você estiver precisando de alguém para conversar, nem pense em me procurar... procure sem pensar!
Desconhecido

As paixões são como as ventanias que incham as velas do navio. Algumas vezes o afundam, mas sem elas não se pode navegar.
Voltaire

O amor faz com que tudo, de repente, pareça possível.
H. Jackson Brown

Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.
Provérbio Bíblico

estrada


Nossa vida é uma estrada, cheia de altos e baixos. Continue a caminhar, que você chega!

terça-feira, 12 de setembro de 2006

Tempo

Eclesiaste 3:1-8
Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu:
há tempo de nascer e tempo de morrer;
tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou;
tempo de matar e tempo de curar;
tempo de derribar e tempo de edificar;
tempo de chorar e tempo de rir;
tempo de prantear e tempo de saltar de alegria;
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras;
tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar;
tempo de buscar e tempo de perder;
tempo de guardar e tempo de deitar fora;
tempo de rasgar e tempo de coser;
tempo de estar calado e tempo de falar;
tempo de amar e tempo de aborrecer;
tempo de guerra e tempo de paz.

Acho que a passagem acima foi escrita com o propósito de mostrar pra gente que, memo que a gente lute contra tudo e contra todos, muita coisa vai acontecer na nossa vida independente do nosso controle. Tudo na vida tem seu tempo, afinal.

Você pode colaborar muito consigo mesmo, com as escolhas que faz nesse intervalo de tempo entre os dois extremos mais radicais da passagem acima: o nascimento e a morte.

Plantar, colher, matar, curar, derrubar, edificar, enfim... tudo o mais vem nesse intervalo. E tudo acontece com a gente, independente de querer ou não. Podemos até evitar ou adiar alguns fatos agindo com prudência ou com medo. Ou mesmo provocar alguns fatos agindo com ímpeto ou com coragem...

Que bom que nós temos escolha. A felicidade é o caminho que trilhamos, não um objetivo a ser alcançado. Esqueça, você nunca alcançará esse objetivo. Ele já está contigo. Você já tem o dom de ser feliz.

Você ama? Se não ama, comece a amar. A sua vida é um imã e o amor é um metal. Ele vai ser naturalmente atraído se você estiver imantado. Vai acontecer, e vai ser o melhor pra sua vida. Medo todo mundo tem. O problema é quando o medo ultrapassa o limite da orientação, paralisando a sua vida. Aí deixa de ser um instrumento de proteção para ser uma arma de destruição.

Eu escolho o amor.

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

um pouco da minha

Mar
Na pele suave de tuas mãos
sereno vejo o mar
os passos macios na areia
e o desabrochar as ondas

Dá pra ver a lua brincando,
se escondendo do futuro
se mostrando no escuro
almejando ser um sol

Dá pra ver o silêncio
que azul, cintila ao vento
levando junto as folhas
e os pensamentos

domingo, 10 de setembro de 2006

um pouco dos grandes

O mundo é grande - Drummond
O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.

A verdadeira arte de viajar - Quintana
A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,

Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.
Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali...
Chegamos de muito longe, de alma aberta e o coração cantando!

Amor acaba? - Leminski
Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima.

Quero saber - Neruda
Quero saber se você vem comigo
a não andar e não falar,
quero saber se ao fim alcançaremos
a incomunicação; por fim
ir com alguém a ver o ar puro,
a luz listrada do mar de cada dia
ou um objeto terrestre
e não ter nada que trocar
por fim, não introduzir mercadorias
como o faziam os colonizadores
trocando baralhinhos por silêncio.
Pago eu aqui por teu silêncio.
De acordo, eu te dou o meu
com uma condição: não nos compreender.


Dormes... - Bilac
Dormes... Mas que sussurro a umedecida
Terra desperta? Que rumor enleva
As estrelas, que no alto a Noite leva
Presas, luzindo, à túnica estendida?

São meus versos! Palpita a minha vida
Neles, falenas que a saudade eleva
De meu seio, e que vão, rompendo a treva,
Encher teus sonhos, pomba adormecida!

Dormes, com os seios nus, no travesseiro
Solto o cabelo negro... e ei-los, correndo,
Doudejantes, sutis, teu corpo inteiro

Beijam-te a boca tépida e macia,
Sobem, descem, teu hálito sorvendo
Por que surge tão cedo a luz do dia?!

Soneto da separação - Vinícius
De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.


De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.


Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

um pouco de Quintana

Para mim o maior dos maiores, dos poetas brasileiros, de todos os tempos.

Poeminho do contra
Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

Bilhete
Se tu me amas,
ama-me baixinho.
Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
.....tem de ser bem devagarinho,
.....amada,
.....que a vida é breve,
.....e o amor
.....mais breve ainda.

O amor
O amor é quando a gente mora um no outro.


simples como um tapa

A carta - Djavan

Não vá levar tudo tão a sério
Sentindo que dá, deixa correr
Se souber confiar no seu critério
Nada a temer
Não vá levar tudo tão na boa
Brigue para obter o melhor
Se errar por amor Deus abençoa
Seja você

No que sua crença vacilou
A flor da dúvida se abriu
Vou ler a carta que o Biel mandou
Pra você, lá do Brasil:

"Eles me disseram tanta asneira, disseram só besteira
Feito todo mundo diz.
Eles me disseram que a coleira e um prato de ração
Era tudo o que um cão sempre quis
Eles me trouxeram a ratoeira com um queijo de primeira
Que me, que me pegou pelo nariz
Me deram uma gaiola como casa, amarraram minhas asas
E disseram para eu ser feliz

Mas como eu posso ser feliz num poleiro?
Como eu posso ser feliz sem pular?
Mas como eu posso ser feliz num viveiro,
Se ninguém pode ser feliz sem voar?

Ah, segurei o meu pranto para transformar em canto
E para meu espanto minha voz desfez os nós
Que me apertavam tanto
E já sem a corda no pescoço, sem as grades na janela
E sem o peso das algemas na mão
Eu encontrei a chave dessa cela
Devorei o meu problema e engoli a solução
Ah, se todo o mundo pudesse saber
Como é fácil viver fora dessa prisão
E descobrisse que a tristeza tem fim
E a felicidade pode ser simples como um aperto de mão
Entendeu?

É esse o vírus que eu sugiro que você contraia
Na procura pela cura da loucura,
Quem tiver cabeça dura vai morrer na praia."

quarta-feira, 6 de setembro de 2006

Propaganda

Sou daqueles que se diverte com propagandas bem boladas. E o site abaixo tem muita coisa bacana para mostrar, mas em especial de propagandas que nunca foram ao ar. Tem de tudo, do politicamente incorreto ao estupidamente engraçado. Vale a pena conferir as pérolas.
http://www.desencannes.com/perolas.php

Ieu.

quarta-feira, 30 de agosto de 2006

humor - Murphy

Derivações das famosas Leis de Murphy. Pérolas do negativismo, profundamente inspiradas e compiladas na coletânea abaixo (ei, eu não concordo com o negativismo, é só diversão mesmo!):

-Se você não perde cabeça quando todos ao redor já perderem, talvez você apenas não esteja entendendo a situação.

-Para cada problema na humanidade existe uma solução simples e clara, e esta será sempre a solução errada.

-Tente. É mais fácil conseguir o perdão que a permissão.

-É quase sempre mais fácil entrar do que sair de qualquer coisa.

-Não importa que você caia, desde que que você apanhe algo no chão quando se levantar.

-Qualquer coisa cortada no tamanho exato será pequena demais.

-O componente mais delicado é aquele que é derrubado.

-Nunca fique na mesma trincheira com alguém mais valente que você.

-É um erro deixar qualquer objeto mecânico perceber que você está com pressa.

-O companheirismo é essencial à sobrevivência. Ele dá ao inimigo outra pessoa em quem atirar.

-Não existe nada mais agradável do que quando alguém atira em você, e erra.

-As coisas são danificadas proporcionalmente ao seu valor.

-A probabilidade de uma coisa acontecer é inversamente proporcional ao desejo que ela aconteça.

-Nada jamais vai embora.

A chance de uma torrada cair com o lado da manteiga para baixo é diretamente proporcional ao valor do tapete.

-A outra fila sempre anda mais rápido.

-Ajude um homem quando ele está com problemas e ele sempre se lembrará de você quando estiver com problemas de novo.

-Vida é o que acontece com você enquanto você faz outros planos.

-Somente uma pessoa medíocre está sempre usando todo o seu potencial.

-Dentro de cada problema pequeno existe sempre um grande problema lutando para sair.

-Se os engenheiros construíssem prédios como os programadores escrevem programas, um único picapau seria capaz de destruir a civilização.

-Amigos vêm e vão, mas os inimigos se acumulam.

-Coma uma lesma viva de manhã e nada pior lhe acontecerá durante o dia.

-Quando as coisas pioram, todos vão embora.

-Problemas complexos tem soluções simples, fáceis de entender e erradas.

terça-feira, 29 de agosto de 2006

a melhor de todas as passagens da Bíblia

I Coríntios 13

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.

O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará; porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos. Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado.

Planta-se a semente, ela brota.. mas sem água, ela simplesmente vai definhando, pequenina e despercebida aos olhos dos homens. Aos poucos vai definhando, diminuindo, reduzindo, até secar-se completamente. Os homens passam por ela, mas não enxergam que ali está se travando uma luta pela vida. Eles não vêem.

O amor é como uma planta que precisa ser regada com frequência. Ela não sobrevive sem água, não consegue crescer, ainda que tenha o potencial para a vida.

Mas se a água cair sobre ela, ela crescerá, reverdecerá, ficará forte, grande, e no devido tempo será frutífera. Os frutos servirão de alimento para as pessoas e animais, sua sombra cobrirá e protegerá nos dias de tempestades e nos de extremo calor. Dos frutos restarão as sementes que, replantadas, darão vida a novas plantas igualmente frutíferas e mais uma vez o milagre da multiplicação acontecerá. Ele acontece todo dia, no coração de quem ama.

O amor é isso, é uma planta, e possui em si também um grande potencial. Se devidamente cuidado ele por si só dará seus frutos, e os seus frutos gerarão mais amor, e tudo ficará contamidado com o seu perfume suave.

O que quer dizer isso?

Quer dizer que o sucesso, o desempenho, a fama, as conquistas pessoais, financeiras, patrimoniais, e até mesmo as espirituais - isso mesmo, as espirituais - nada valem, nada representam, têm valor zero absoluto se o motor de tudo na vida da gente não for o amor.

Quer dizer que tudo o que a gente fizer na vida, se não for motivado pelo amor, vai ser apenas uma ação vazia, para não dizer hipócrita. Vai ser falsa, nula, sem sentido, sem valor, indigno de qualquer reconhecimento, indigno de qualquer nota. A gente não pode esperar recompensa se o que nos motiva a agir não for o amor.

Quer dizer que é bom a gente deixar toda velha hipocrisia de lado se quiser passar na prova do amor. Porque qualquer pessoa pode dizer que ama, sem de fato demonstrar, sem de fato dar os sinais de que vive - e não apenas discursa.

Mas então é isso? Ou ama ou não ama?

Não, não é simples assim. Porque o amor, antes de ser uma árvore, era uma semente, ou seja, precisou ser plantada. E foi plantada em nossos corações. Vamos sorrir muito e chorar muito também até chegarmos ao conceito puro descrito aí encima, porque o amor é um aprendizado diário.

Se diz por aí que a gente aprende tudo na vida de duas maneiras: errando ou vendo o erro dos outros. Isto é uma verdade, mas eu também vejo que a gente aprende muita coisa acertando, ou vendo o acerto dos outros. Porque até mesmo o erro é uma coisa difícil de conceituar. E porque muitas vezes a gente erra quando queria acertar.

Melhor é aprender com a própria natureza humana

Uma pessoa pode dizer que ama, mas ao mesmo atropelar a vida e as pessoas com suas atitudes, sem esperar que os outros cheguem ao mesmo nível, nem mesmo se incomodando em ajudá-los a chegar, agindo de uma maneira totalmente contrária ao conceito do amor, porque o amor é paciente, e também não se exaspera.

Uma pessoa pode dizer que ama, mas agir de modo contrário ao amor. Achando estar sendo movido por esse mesmo amor, comete maldades ora sutís, ora gritantes, contribuindo para destruir outras vidas, e quebrando assim o princípio de que o amor é benigno.

Uma pessoa pode dizer que ama, mas demonstrar que seu amor é voltado somente para as coisas, quando age de maneira possessiva e considera as outras pessoas como brinquedos seus, objetos, cristaizinhos para decorar a estante. Quando passa a crer que é necessário que os outros sejam empalhados como troféis de caça, que são de sua propriedade, aquele que diz que ama passa a conduzí-los ao sofrimento, porque pára de desejar seu bem, não quer que cresçam, não quer que se desenvolvam, pois tem mêdo de perdê-los, ou que seus olhos se abram e vejam a prisão em que estão trancafiados. E na verdade não os ama, só tem medo é de ficar sozinho. Mas há o ciúme bom: o ciúme de quem ama a alma, que é diferente do ciúme de quem ama as coisas.
O primeiro é o de quem, ainda que sofra, quer o bem do outro; o segundo é o de quem quer exclusivamente o próprio bem. E por causa do segundo, e só do segundo, quebra-se o princípio de que o amor não arde em ciúmes.

Uma pessoa pode dizer que ama, mas com atitudes recheadas de egoísmo e egocentrismo acaba destruindo a vida e os sonhos de outras pessoas - e talvez até de alguém especificamente - porque não verdade não ama a outros, senão a si mesmo, e assim quebram-se os princípios de que o amor não se ufana, não se ensoberbece, e não busca os próprios interesses.

Uma pessoa pode dizer que ama, mas mostrar o contrário quando suas atitudes afastam os outros de si, parecendo agir deliberadamente para se isolar, motivado ora pela autopiedade, ora pela arrogância, ora pela ganância, e até mesmo pela esperteza. Qualquer motivo, menos o amor. Em sua determinação maligna, acaba quebrando o princípio de que o amor não se conduz inconvenientemente.

Uma pessoa pode dizer que ama, mas não consegue expressar isso por não conseguir passar pela difícil prova do perdão, já que o amor não se ressente do mal. Está na natureza do homem guardar a mágoa, reter o perdão, e aprisionar uma parte de si em algo - ainda que terrível - do passado, aprisionando junto de si outras vidas. A gente tem que aprender a dura lição do perdão, sob a ótica da libertação, já que o perdão liberta tudo. Se a confiança vai ser a mesma é outra história. É necessário aprender a mesma lição dia após dia, para sermos livres.

Uma pessoa pode dizer que ama, mas mostrar o contrário quando vibra com a derrota, o sofrimento e a desgraça alheias, em qualquer sentido. Mas esse é um erro bem revelador, porque o amor não se alegra com a injustiça.

E pode dizer que ama mas demonstrar que não entende bem o que é o amor quando retém a verdade, ou a subtitui pela sua própria e conveniente verdade, ou ainda quando a omissão dessa verdade prejudica os benefícios que ela traria. Ou seja, a gente não pode dizer que ama quando usa a mentira como caminho. Porque o amor regozija-se com a verdade.

O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Sei que é complicado, considerando nossa condição, desafia nossa lógica e parece cansativo lembrar de tanta coisa, para poder bater no peito e dizer que a gente ama de verdade, mas...

... vamos caminhando enquanto amamos, e amando enquanto caminhamos. Tudo vai sendo aprendido ao longo do caminho.

sexta-feira, 25 de agosto de 2006

Quem é a vítima?

O Ministério Público está em guerra com o Orkut? Não. Nem o Orkut está tentando burlar a lei. Nessa maluquice que está acontecendo no site de comunidades de relacionamento, há várias vítimas. O próprio Orkut é a primeira delas. A outra é a própria justiça. E mais uns 18 milhões de pessoas que acessam o site na busca de amizade e contato. São todos vítimas.

Se existe uma vítima, existe um agressor. E o agressor é a natureza podre de muitos, que se escondem atrás de perfis falsos e usam um recurso, uma idéia fantástica para propagar seu mau caratismo e indecência. Pedófilos, racistas, bandidos... Faces de um problema que ultrapassa o virtual - é coisa da vida real.

Por isso eu sou sim a favor de um controle maior, não sobre a identidade das pessoas na internet, mas sob sua localização.

querem fechar o Orkut

Logo agora que eu tô gostando?! Ah para Ô!

quarta-feira, 16 de agosto de 2006

terça-feira, 15 de agosto de 2006

Eu me rendo!!

Eu tive meu primeiro contato com a internet há alguns anos, mais precisamente há 10 anos, em 1996, quando fui trabalhar como instrutor numa escola de informática em Londrina-PR. Logo de cara tive a nítida noção de que aquele seria o ambiente que mudaria a forma como as pessoas e os negócios se comunicariam e se desenvolveriam. Então, me empenhei ao máximo em conhecer ao máximo possível os aspectos nova e promissora plataforma.

E uma coisa em especial ganhou peso à medida em que eu avançava no conhecimento da internet: o danado do bate-papo. Era tão legal conversar com gente diferente, numa atmosfera virtual, sob o manto da incognitude, que não deu outra: virei um frequentador assíduo de IRC's e salas de chat. A tecnologia era, na époa, ainda bastante precária, insegura, mas muito promissora.

O tempo passou, em poucas semanas eu peguei nojo daquele negócio de "Oi, de onde vc tc?", "Oi, como você é?", "Oi quer tc??"... E daquele negócio de mandar uma mensagem e a pessoa não responder nunca. Como diz o macaco Simão, quem fica parado é poste!

Hoje eu pago para não entrar num bate-papo, embora adore longos diálogos. Acho uma perda de tempo descomunal, mas esse é o meu perfil - de um trintão que acha que sabe um pouco de tudo. Ninguém quer ter uma conversa com alguém assim - as salas de chat estão recheadas é de segundas, terceiras e quartas intenções.

E foi com esse espírito - de alergia aos chats - que eu fui evoluindo como programador Web. Sempre pendurado na internet, sempre dialogando na internet, mas só com meus clientes, em contatos de negócios e de suporte. A internet tem muitas facetas e frentes a serem exploradas, mas nessa área de contatos especialmente, aconteceu uma coisa...

... surgiu o tal do ORKUT.

Li os primeiros comentários e editoriais em revistas especializadas e sites de internet lá por volta de 2003/2004. O que se dizia dele é que traria uma revolução na maneira das pessoas se relacionarem via internet. Em comunidades, tal... tal... tal... Eu torcia o nariz para essa conversa, achava uma bobagem maior do mundo e estava decidido a não perder o meu tempo com isso.

Fiquei assim por quase dois anos, recusando cada convite para me cadastrar no Orkut. Até que, num dia desses que você tá de saco cheio de tudo, procurando alguma novidade, alguma renovação, que eu finalmente resolvi aceitar um dos vários convites que eu recebia semanalmente.

Acessei e, pacientemente, criei meu perfil no site. A cada informação preenchida eu repetia para mim mesmo "Aguenta, muleque, você que pediu.". E assim, criei meu perfil no site de relacionamentos. Talvez um dos perfís que seriam facilmente classificados como dos caras mais chatos jamais vistos: sem amigos cadastrados, sem participar de nenhuma comunidade, sem receber nem deixar recados. Ou seja, quase um incóginta, um cisco, uma bactéria. : )

Porém, depois de quase 6 meses cadastrado, um amigo meu, o Marcão, me disse que tinha conseguido altos contatos com pessoas no Brasil que colaboram quem deseja tirar a cidadania italiana... pelo ORKUT. O assunto me interessou e eu, sem piscar, fui conferir. Comecei a conhecer a lógica por trás das comunidades, a enxergar os benefícios que o site poderia me trazer.

Meu conhecimento foi crescendo, e eu comecei a ter boas surpresas, começando a participar de comunidades de pessoas com quem tenho algumas afinidades, como as de programadores, de desenhistas, de músicos... E logo comecei a encontrar alguns amigos do cotidiano. Meu interesse, lógico, foi crescendo.

Nas últimas semanas eu entrei em um outro nível: o de recuperar o contato com pessoas do meu passado, que deixaram saudades, e trazê-las novamente ao meu presente, abrindo a oportunidade de recuperar o tempo perdido! Amigos de escola, de faculdade, alguns parentes... Isso tudo já teria despertado definitivamente meu interesse palo Orkut.

Mas o golpe fatal veio esta semana. Quando uma pessoa muito especial para mim me encontrou no Orkut - isso mesmo fui encontrado. Por isso a partir de hoje sou defensor desse treco.

ORKUT: Eu me rendo!!!!

sexta-feira, 11 de agosto de 2006

conto: o vendedor estressado

Dessa vez ele tava vendendo perfumes.

- Oi moço, você vende perfume?
- Não eu só cheiro. Você passa, eu cheiro seu pescoço. É isso que eu faço.

- Moço, você tem aquele perfume... como que chama...?
- Não tenho. Volte outro dia quando eu tiver.

- Moço, você tem um perfume com uma fragância igual ao do Ferrari?
- Sim, tenho. Está no tanque do meu carro, aguarde um minuto que eu vou pegar um pouco com uma mangueira.

- Moço, esse perfume é bom para o dia ou para a noite?
- Nem o dia nem a noite usam perfumes, querida. Se você comprar, vai ser bom pra você
mesmo.

- Moço, diz aí algo para uma noite assim... matadora?
- Tente um revolver.

- Moço, esse perfume dura bastante no corpo?
- Depende do corpo, querida.

- Moço, esse perfume é bom para sair?
- Não sei, ele nunca me convidou para sair.

segunda-feira, 7 de agosto de 2006

Israel e Hezbollá

Tenho visto várias pessoas se posicionando claramente entre um lado e outro, uns acusando Israel de exercer o "terror de estado", outros defendendo que a guerrilha xiita está recebendo o que merece - mesmo que o preço maior, quem esteja pagando seja o pobre e fraco (em vários sentidos) Líbano.


Todo mundo sabe que a rixa ali é secular. O que quase ninguém sabe é como e quando começou. Imagina-se que a origem dessa indisposição mútua - dizem - vem dos tempos bíblicos, quando os Amonitas, Edomitas, e tantos outros itas, se amontoavam em torno da recém conquistada (na marra) terra que mana leite e mel - Canaã. Resposta bastante simplista: "Ah... esses dois meninos... brigam desde que nasceram!..."

Será?

Chacina pra cá, chacina pra lá... Vingança pra cá, vingança pra lá... e a origem se perdeu. Hoje, o que lhes salta à memória é só a lembrança de tragédias mais recentes. O que deu origem histórica a essa rixa não importa mais... O importante é vingar a morte do líder Youssef, do ministro Rosenstein, etc. etc. Ah! Mas peraí... é claro: tem a causa palestina, não é mesmo?

Vamos à causa Palestina.

Tudo bem que Judeus e árabes nunca se entenderam mesmo. Mas a coisa começou a ficar preta foi no final da primeira guerra mundial. Naqueles anos tensos 1914 a 1918, o nacionalismo europeu irrompeu numa crise sem precedentes na história da humanidade. Nações do mundo todo se envolveram numa guerra bastante sangrenta (inclusive o Brasil, viu?).

Combatendo na frente oriental, a Inglaterra foi perdendo e ganhando batalhas aos montes. Até que no final, conseguiu repelir as forças da aliança inimiga (inimiga deles, que fique claro). Mas enquanto brigava, correu um grande movimento político que bateu com a necessidade bretã de apoio (leia-se dinheiro) - a idéia de um grupo muito grande de judeus - ricos - do mundo todo que tinha grandes interesses na implantação do estado Judeu em sua terra de origem: a Palestina.

Dessa parceria surgiu a declaração Balfour: que, deixando o nhé-nhé-nhé de lado, na prática era um compromisso inglês de estabelecer o estado judaico naquele almejado lugar. A qualquer custo. E com o carimbo de aprovação da nação neo-judaica chamada América.

Observação: Na palestina vivia uma maioria árabe e uma minoria judaica que, se não eram os melhores amigos uns dos outros, pelos menos conviviam sem muitos pegas. Tipo... como duas vizinhas que não se gostam muito.

Terminada a guerra, com a Palestina sob administração da Inglaterra, os problemas dos palestinos começaram a se agravar, especialmente com a vasta imigração de judeus para a região. O quadro que se estava pintando para eles (palestinos) era negro. E os problemas europeus com nacionalismo não haviam sido sepultados.

Estoura a segunda guerra e, para ajudar (por favor, não me interpretem mal), especialmente os judeus são perseguidos e mortos aos montes pelo facínora louco e revoltado Hitler. A despeito de todo horror que a guerra deixou visível, a porcaria acaba ajudando, e muito, o plano de implantação de uma nação judaica.

Deixando os detalhes da segunda guerra de lado, no final a ONU estabelece através de uma resolução (a 181) a divisão do território da palestina entre judeus e palestinos, determinando uma divisão territorial quase igual entre ambas as nações (56% para Israel, 44%para a Palestina), e a cidade de Jerusalém como território do mundo – e de nação nenhuma. E a Inglaterra poderia de uma vez por todas virar as costas e dar no pé daquele lugar, largando a batata quente, para quem ficasse, resolver. Que se dane... a minha parte eu fiz!

Se isso já não fosse um problema monstro, Israel quebra a resolução e toma na marra, metade do território Palestino em tempo recorde, contra tudo e contra todos. Milhares de palestinos pobres passaram a viver em aglomerados, morando em cidades sem estrutura e em campos de refugiados.

E o pior: sem nação. Porque a resolução 181 da ONU que cria o estado de Israel não abole o estado Palestino. Pelo menos não era para abolir, mas ela nunca foi aplicada. Pode-se dizer que resoluções da ONU foram feitas para serem desobedecidas desde o início. É isso aí.

Mas para entender o porque da aguerrida iniciativa Judaica, então temos que voltar ainda mais e mais na história, e aí sim: vamos ver quando e porquê Israel - que já foi uma nação (aliás praticamente um império) - deixou de ser nação. Por quê, afinal, os judeus estavam esparramados pelo mundo todo? Israel não era um País na época de Jesus? Não tinha um tal de Pôncio Pilatos governando a Palestina? Não tinha um tal de Herodes governando a Judéia? Os centuriões não exibiam suas armaduras douradas e saias vermelhas pelas ruas de Jerusalém? O que aconteceu, afinal?

Saiba isso e muito maisnos próximos capítulos, nesse que é o seu, o meu, o nosso blog... I O KIKO!!!


quarta-feira, 2 de agosto de 2006

pmdbada

Saiu na folha: um pmdebista tem assento no comitê político do Alckimin. Ou seja, tem pmdbista tanto na oposição quanto na situação.

Bem típico.

quinta-feira, 27 de julho de 2006

quarta-feira, 26 de julho de 2006

por falar nisso...

Se você leu o posto do diua 25/06 abaixo, viu que eu falei que o sujeito aqui de Cuiabá que ganhou sozinho na megasena era, provavelmente, um magnata.

Dito e feito: o cara é vereador na cidade, e candidato a deputado estadual.

Mas peraí: político ganhando na Megasena???? Interessante, né? Lembrei do João Alves (aquele anão do orçamento que ganhou sei-lá-quantas-vezes na loteria e disse que "Deus o ajudou").

Acorda povão. Para de enfiar seu dinheirinho nesse treco...

futebol bgasileigo


Zagallo? 2014??

Eu li direito????????

O Ricardo Teixeira não tá muito otimista não?????

o mais legal do "Ídolos"

Comecei a assistir um programa "Ídolos" do SBT há algumas semanas atrás, ainda bastante cético. Já havia perdido as duas ou três primeiras edições, em que os jurados circulavam por algumas cidades do Brasil fazendo uma pré-seleção, e eu achava que o programa não valia a pena. Tinha a impressão de ser mais uma edição do insosso "Fama" ou algum outro programinha de calouros reestilizado.

Mas quando eu comecei a assistir, vi uma sequência de figuras das mais esquisitas tentando cantar, dançar, etc. E quatro jurados bastante dispostos a massacrar os mais abusados. No começo, como reza a boa tradição da educação ocidental, fiquei um pouco constrangido com as cenas de pagação de mico em cadeia nacional - senti até pena de alguns candidatos. Mas as situações foram se tornando tão ridículas - algumas tão hilárias - que eu acabei sucumbindo.... daí em diante eu não perdi mais nenhum programa...

...pelo menos durante a fase de seleção, porque depois a coisa caiu numa babação insuportável, como eu suspeitava a princípio. Até parei de assistir. Não tô nem aí para que vai ganhar ou deixar de perder. O legal foi ter me divertido bastante com as figuraças que apareceram por lá no início. E por isso mesmo vou compartilhar aqui uns vídeos que encontrei no YOUTUBE, depois de uma pesquisada. Assistam e riam muito.

Ídolos: Os maiores piores
Ídolos: Candidatos cantam o hino nacional
Ídolos: Ânimos acirrados e muita bobagem

terça-feira, 25 de julho de 2006

megasena

E o ganhador da Megasena é um sujeito aqui de Cuiabá que, sozinho, faturou 28 milhões de reais.

Não se deixe enganar com sonhos utópicos do pobre manezinho que tirou seus últimos reaizinhos na esperança de ganhar alguns trocados e acabou se tornando o milionário da vez.

É que provavelmente é o contrário: um magnata, já devidamente endinheirado, que apostou um monte de grana numa lotérica e acabou vendo diminuídas as chances de não ganhar - ou aumentadas as chances de ganhar (como queira). E ganhou.

O fato é que é curioso quando um sujeito da mesma cidade em que você vive, ganha tanto dinheiro. Se por um acaso do destino o cara for mesmo um pé-rapado, basta um pouquinho de sabedoria, e ele se torna o novo papa dos imóveis da cidade. Ou das fazendas. Ou que se dane a cidade. Que se dane até mesmo o Brasil.

A sensação é de que a sorte passou tão pertinho, tão pertinho, que se qualquer um de nós estivesse mais atento só um pouco, a pegaria pelas penas.

Mas o fato é que, para cada número que o camarada riscou no seu jogo vencedor, vários e vários milhões de outros números concorreram, o que nos reporta à nossa fútil realidade, a de que um monte de gente fica dando dinheiro, todo o mês, para um ou dois "sortudos".

(OBS - "sortudo" - Entenda-se por sortudo todo aquele que não manipula as probabilidades ao custo de alguns milhões).

segunda-feira, 24 de julho de 2006

achados e perdidos

Tem acontecido umas coisas bem bacanas comigo nesses últimos dias. Algumas pessoas quer passaram pela minha vida - amigos, colegas de escola - têm retornado. Parece coincidência, mas esses amigos têm me procurado - e encontrado - com a ajuda da internet, sem que soubessem uns dos outros.

É como se houvesse um movimento em comum, as pessoas procurando antigas amizades, procurando umas às outras. Eu mesmo andei fuçando por aí por esses dias. Acabei encontrando alguns amigos, para os quais deixei alguns recados e, vá lá, quem sabe me respondam.

Me faz lembrar que minha própria gata, antes de qualquer coisa, foi minha colega de escola também.

Tem uma música do Oswaldo Montenegro que sugere que cada um faça uma lista de seus maigos de 10 anos atrás, só para saber quantos deles você conseguiu manter como amigos após tanto tempo. A música é essa aqui: A Lista.

Você que tá lendo: não tá na hora de fazer o mesmo, dar uma olhada por aí, rever velhas amizades, restaurar alguma coisa que ficou perdida no passado? Da vida a gente não leva muita coisa. E do pouco que se leva, nem mesmo um fiozinho é material. Portanto, deixa de bobagem e mãos a obra.

sexta-feira, 21 de julho de 2006

acontecendo

Acho que catástrofes, crises, tragédias e guerras sempre aconteceram no mundo - o que não quer dizer que seja algo normal, ou que não nos entristeça ou revolte - mas não chegavam a nós com a velocidade, clareza e facilidade com que chegam hoje. Claro, pensamos, até porque não haviam meios tecnológicos para que eu e você víssemos com nossos próprios olhos, às vezes até em tempo real o que está acontecendo por aí, por nosso pequeno e grande planeta.

E acho que é por isso mesmo - por ficarmos sabendo de tudo na hora - é que a sensação de perplexidade e impotência fica rondando na cabeça da gente. Na minha, pelo menos, fica.

Lembro do dia em que aconteceu o maior espetáculo de todos os tempos, quando aqueles aviões se chocaram contra as torres gêmeas. O primeiro foi uma surpresa total, mas não foi ao vivo. Depois do acontecido é que as câmeras se posicionaram. E fizeram isso para em seguida, transmitir ao vivo, praticamente em cadeia global, aquele jumbão sumindo dentro daquela torre de concreto, num espetáculo dantesco, que me deixou com cara de babaca, bem como a milhões de telespectadores.

Se antes já era um "negócio" essa coisa de imagens fantásticas, depois então, virou uma febre. Acho que a indústria de câmeras deve estar dando quase tanto lucro quanto a de armamentos. Toda rede de TV quer posicionar suas câmeras nos quatro cantos do mundo. O que não puderem flagrar de cataclísmico, eles compensam com pequenas situações cômicas e inusitadas. E cai tudo na sala da gente.

O fato é que eu me sinto assustado. É muita gente morrendo... Muita guerra. Agora tem essa aí de Israel.

terça-feira, 18 de julho de 2006

novelas

O auto Manoel Carlos pediu desculpas publicamente pelo excesso cometido em sua novela "Páginas da Vida" da Globo. Na novela, um depoimento real de uma mulherde 68 anos conta como ela atingiu o primeiro orgasmo aos 45 anos, através de masturbação. E usa palavras chulas. Que chocam e constrangem. Quer ler? Leia aqui.

Não tem nada de diferente do que acontece em nosso cotidiano mesmo. A maioria das mulheres não sentem prazer na relação, isso é sabido. A maioria dos homens são estúpidos em relação ao prazer feminino. A maioria das pessoas não sabe falar português. Nosso dia a dia é recheado de preocupações, frustrações, dificuldades e transtornos: devemos dinheiro para o banco, temos que juntar as moedas para pagar a luz, a água, o ônibus, andando de sapato velho e comendo o que é possível. Isso todo mundo sabe.

O que choca no depoimento é o linguajar. Não estamos acostumados a expôr - e nem a ver exposto - esse tipo de situação, que é muito íntima de cada pessoa, e ainda mais num linguajar que força a imaginação. Que faz brotar na mente a imagem da própria depoente na circunstância descrita. É constrangedor, até asqueroso. E ela não tem culpa, ela fala do que sabe, é uma pessoa simples e usa seu linguajar cotidiano para expressar suas idéias, sem a intenção de chocar ou ofender.

Não é da cultura nem do brasileiro, nem de pátria nenhuma do mundo a exposição de tais situações com tal liguajar, a não ser em grupos restritos em que haja confiança mútua. Você não vê no ônibus , no metrô, na rua ou no trabalho, alguém falando abertamente se tem orgasmo ou não, e como é que faz para atingi-los.

Você só vê isso num grupo em que o assunto é apropriado, e ainda assim com linguagem didática, numa aula de sexologia, ou ainda num grupo de amigos(as).

Se num lugar público já seria constrangedor, imagina através dos geradores da mídia livre.
Imagine quantas famílias que, pra descontrair, assitem juntas uma novelinha na sala. Imagina quantas crianças e adolescentes absorveram?!

Não dá para calar diante do que aconteceu. A idéia é ate´interessante, mas o resultado foi terrível, terrível.

domingo, 16 de julho de 2006

zidane x materazzi

Coloque você mesmo suas legendas no bate-papo entre Zidane e Matereazzi.
Clique abaixo e divirta-se!

http://www.materazzisays.com/

trabalhando

É domingo, são 19:30 horas e eu estou no trabalho. Ainda bem que Deus está em todo os lugares. Todos os dias, das 18 as 0:00 horas, monitorando processos em servidores de alta performance. Responsa. É meu segundo emprego. O outro me ocupa das 8:00 as 17:30 horas - ,mas pelo menos tenho o fim de semana livre.

Espero que valha a pela.

quarta-feira, 12 de julho de 2006

argentinos

Considerações sobre os argentinos:

Segundo recentes estatísticas, de cada 10 argentinos, 11 sentem-se superiores aos outros...

Qual é a diferença entre os argentinos e os terroristas ???
Os terroristas têm simpatizantes.

Como se faz para reconhecer um argentino numa livraria ???
Ele é o que pede o mapa-mundo de Buenos Aires.

Maradona
Segundo a imprensa Argentina, Maradona foi o melhor jogador do mundo e um dos melhores da Argentina.

O que é o ego ???
O pequeno argentino que vive dentro de cada um de nós.

Qual é o negócio mais lucrativo do mundo ???
Comprar um argentino pelo que ele vale e vendê-lo pelo que ele pensa que vale.

O argentininho fala para o pai:
- Papa, cuando yo crescer, quiero ser como usted.
- Y por que, mi hijo ???
- pergunta o orgulhoso pai argentino.
- Para tener un hijo como yo.

Por que há tantos partos prematuros na Argentina ???
Porque nem as mães agüentam um argentino por nove meses !!!

Notícia no principal tele jornal argentino:
- Brasil y Argentina empataram hoy el jogo por la Copa América:zero gols para Brasil e ZERO GOLAZOS para Argentina !!!

Por que é que os homens argentinos em geral preferem não casar ???
Eles nunca encontram uma mulher que os ame mais do que eles.

Por que é que não há terremotos na Argentina ???
Porque nem a terra os engole.

terça-feira, 11 de julho de 2006

conto: tragicomédia urbana



José nasceu pobre, viveu pobre e, agora, morreu mais uma vez - dessa vez pra sempre - e ainda pobre. Quando era pequeno seu perverso padrasto o arrastava, com seu irmão mais velho e sua irmã do meio pela rua. Onze horas da noite eles ainda estavam no cruzamento da Freitas com a Brasil, pedindo esmola, imundos, chorosos, quase mortos de fome e cansaço.
José morreu muitas vezes. Mas antes disso, viu muitas coisas morrendo em torno dele enquanto ainda vivia. Morreram seus brinquedos de criança, o velho cabo de vassoura que usava para brincar de tudo, do carrinho ao cavalinho, da espada à nave espacial. Cabo de vassoura que seu pai quebrou nas costas do seu irmão mais velho. Aquele que nunca mais voltou. E que morreu duas vezes: quando partiu dali deixando José para trás, e quando uma bala encontrou sua cabeça durante a fuga de um assalto.
Morreram seus sonhos junto com sua mãe doente, junto com sua irmã prostituída, deprimida e destruída. Só o padrasto insistia em não morrer. Só aquela praga. A doença é assim: mata tudo, mas ela mesmo não morre.
A morte lenta também acompanhava José: morriam suas esperanças enquanto o tempo passava sem que seu pai voltasse. E porque nunca o conhecera, justamente por isso, ele era tão mártir. José descobriu que o mártir, ao passar o tempo, dá lugar ao maldito.
Finalmente morreu José, da maneira mais humilhante possível, sujo de barro, dentro de um poço, que nem um bicho, qualquer, fungindo da polícia, da gente, dos olhos, da vida.
O padastro, esse anda por aí ainda.

quinta-feira, 6 de julho de 2006

terra brasilis

E o Brasil, quem diria... Mais uma vez entregou o jogo, no bom sentido, é claro. O mau sentido é o que anda rolando por aí pela internet (nums emails que eu condeno porque provavelmente são mentiras - provavelmente) que dizem que a turma dos titulares recebeu grana para deixar a França passar na frente.

sexta-feira, 30 de junho de 2006

Notícia 1/2 nonsense

Olha só essa notícia:

Horas extras matam 600 mil chineses por ano

Posso estar enganado, mas acho que tem algo errado com ela. 600 mil pessoas morrerem por excesso de trabalho, por ano, não parece um pouco exagerado?! Tudo bem que a população lá é de 2 bilhões, a maioria na área rural.

Ou sou eu que não tô tendo o devido discernimento dos números, por serem grandes demais?!

quinta-feira, 29 de junho de 2006

Henry, Henry...

O Henry, atacante francês, saiu com essa de que o jogador brasileiro joga bem porque, já criança, fica jogando bola por aí desde cedinho até o anoitecer. E nada de escola. Ao contrário dele, garoto comportado, esforçado, que só tirava boas notas. Veja você mesmo:

Henry insinua que brasileiros não estudam, e por isso é que jogam bem

O Henry sabe tudo de Brasil, com certeza. Eu é que não entendo nada de França. Eu não sabia, por exemplo, que os franceses tinham que estudar tanto para se transformarem em... JOGADORES DE FUTEBOL...

Dois videozinhos

Veja : Haja coração!

e

Veja: A física não permite!

sábado, 24 de junho de 2006

Transmissão ao vivo

Hoje, por concidência, estou no trabalho preparano a instalação do nosso sistema de informática em uma empresa. E, por coincidência a TV está ligada, e começou a transmissão ao vivo do jogo Argentina e México.

Então resolvi fazer dessa minha primeira experiência de pegação no pé do Galvão ao vivo. Vou tentar registrar alguma coisa dele, hehehe.

Então vamo lá.
PRIMEIRO TEMPO
15:00 - Começa CORINTHIANS x MÉXICO. (Ei... aqui onde eu estou começa às 15:00 mesmo...)
15:03 - Pausa para eu ir ao banheiro.
15:07 - GOL DO MÉXICO!! Que momento mágico!!!
15:09 - Ainda que mal lhe pergunte... "Corte de cabeça" não seria uma expressão meio dúbia?!
15:09 - GOL DA ARGENTINA!! Que porcaria!!
15:11 - O Galvão dá uma demonstração de sua estranha admiração pelos pibes argentinos, entoando uma canção conhecida dos torcedores portenhos, muito bem decorada, por sinal.
15:17 - Depois de uma falta de um argentino, o Galvão disse que o juiz podia trocar seu sorriso por um cartão. Já o Arnaldo disse que é comum árbitros europeus acharem graça das faltas. Deve ser uma diversão ser árbitro na Europa.
15:18 - Da série frases curiosas: "Perigosa enfiada do Cambiasso!"
15:24 - A primeira vez na vida que eu vejo o Arnaldo reconhecer que não prestou atenção. Deu uma opinião esquisita, e em seguida tascou: "Ou será que eu tô enganado?!". Foi legal. hihihihih
15:35 - Na terça feira "Prepare seu coração" pela primeira vez no jogo.
15:36 - Biba la milonga muchachooo!!
15:39 - O Galvão está especialmente inspirado em suas análises táticas hoje. Não narrou 10 minutos do jogo, entre prognósticos, projeções, comentários e análises. Que aliás são importantíssimas para a compreensão do jogo em si, claro.
15:40 - Entrou o vocalista do Scorpions no time do México.
15:41 - Maradona, sempre um torcedor entusiasmado da Argentina. Na verdade, eletrizado. Quase tendo um treco. Por que será?!
15:45 - Momento cultural. Galvão e mais uma musiquinha da torcida argentina. Tinha que ver que camisa é essa que o cara tem por baixo do uniforme, hein.
15:46 - Arnaldo e uma observação brilhante sobre a constante insistência da bola em passar pelo meio do campo, cruzando o caminho do juiz. Isso o força a pular, de vez em quando.
15:48 - Legal BATE BOCA do Galvão com o Arnaldo, sobre um lance de regra. Uma falta do argentino. Não importa, quero ver é porrada.
Ah... cabou o primeiro tempo sem uma gota de sangue sequer.

INTERVALO
Como não encontraram nenhuma comunidade de mexicanos que tivesse o mínimo de beleza para mostrar na TV, então criaram uma comunidade de brasileiros torcendo pelo México. Tinha mexicano de Campos do Jrodão, mexicano de Minas Gerais... etc. O importante é ter o que mostrar. E no nosso caso, melhor ver isso do que ser cego.

Mas a observação que eu destaco é a - finalmente confessada - paixão do Galvão Bueno pela Argentina. Isso explica, com certeza, muita coisa. Aliás, segundo o Galva, lá come-se muito bem.
Tá bom então né.

SEGUNDO TEMPO
Boas perspectivas. É no segundo tempo que o Galvão Bueno sai com as melhores pérolas.
16:05 - Aquilo que no começo o Galvão Bueno chamou de um time que "joga uma coisa parecida com futebol", agora "atropelôôôu o time da Suécia e já está nas quartas".
16:06 - O Galva perguntou pro Arnaldo "Por que é que você tá balançando a cabeça?". Ah... se o Arnaldo tivesse criatividade.
16:07 - Não sei porque me sinto um idiota quando o Galvão vira para um dos comentaristas e traduz o que o cara disse, começando com... "Vamos explicar melhor que é para o pessoal de casa entender...".
16:08 - Da série frases curiosas: "Quem sai pelo meio é Torrado!..."
16:22 - Da série frases curiosas: "O jogo pára porque o Guardado tá caído ali no meio!..." ou ainda "O Guardado levou uma pancada."
16:30 - Aó o Galvão pergunta "E você brasileiro, tá a fim de ver tempo extra?" - E eu respondo: "Sim, tô... o problema é só a narração mesmo, hahaha." Aliás, se der tempo extra nesse jogo da Argentina, vai ser uma chatice aquele assunto de que "o time cansa mais, se desgasta mais para os próximos jogos, etc, etc, etc nhe nhe nhe". Quando eu era mais novo eu jogava umas três partidas seguidas de tão fominha que eu era. Isso, que a rapaziada não tinha preparo nenhum, era só fome de bola mesmo. Agora esses caras altamente preparados, não podem jogar trinta, quarenta minutos a mais?! Ah... pára.
16:35 - Sai Cambiasso (aquele da enfiada) e sai Crespo. Entram Aimar e Tevez.
16:36 - "O jogo vai ficando dramático" pela segunda vez no jogo. A primeira tinha sido no primeiro tempo. E tinha sido só um prognóstico, na verdade. Tipo... "No segundo tempo, vai ficar dramático".
16:40 - Ainda que mal lhe pergunte... "Sorin" não é o nome de um remédio para desentupir o nariz?!...
16:46 - entra o brasileiro "Zinha". Guenta o Galvão e seu ufanismo.
16:47 - E o Galvão canta mais uma vez aquela musiquinha da torcida argentina.
16:50 - Pela quadragésima nona vez o Galvão nos avisa que vai ter tempo extra.
16:52 - Acabou esse joguinho milonguento.

Agora vamos ver o México fazer um gol no primeiro minuto e segurar até o final. Prepare o seu coração. Vai ser dramático. hehehehehe.

PRIMEIRO TEMPO EXTRA
16: 59 - O Galvão pergunta pro Arnaldo explicar o que vem agora. O Arnaldo começa a narrar o juiz jogando a moeda. hahahahaha. Hilário...
17:00 - Pausa para eu comer uns biscoitos.
17:01 - Segundo o Galvão, o Pac-Man, técnico da argentina, está preocupado. Será?!
17:02 - Segundo o Falcão, a Argentina de hoje é diferente da Argentina das outras fases.
17:04 - Falta do Riquelme. Tinha que expulsá-lo do jogo e bani-lo do futebol.
17:05 - Gol da Argentina. Que pena. Meu prognóstico do intervalo se mostrou inóquo.
17:06 - Podem falar o que quiserem, mas esse time do México é ruim demais.
17:10 - O técnico Argentino da seleção mexicana se abate com a vitória parcial de sua pátria mãe tão querida.

SEGUNDO TEMPO EXTRA
17:15 - Argentino fazendo milonga, caido pra cá, enrolando pra lá... Ah. ficou sem graça.
17:23 - A Argentina se fecha cada vez mais. O perigosíssimo México sufoca dramaticamente a Argentina, encurralando-a em seu campo. A Argentina parece um animal acuado. Tá bom.
17:24 - Finalmente apareceu o "Toca me voy" Argentino. Segundo o chato do Galvão. Acho que ele tem olho clínico para o "Toca me voy" argentino, que apareceu para ele numa visão.
17:26 - Ah, timinho, esse do México.
17:30 - O que dizer? Essa copa não tá revelando grandes surpresas mesmo, como aconteceu na última.

Finalmente acabou esse futebol enrolado com essa narração amassada.
Abração.

sexta-feira, 23 de junho de 2006

Galvão hilário

Vamos começar com um comentário hilário do Galvão bueno, que saiu com essa no jogo do Brasil: "Era esperado mais o menos o seguinte: A croácia joga, a Austrália bate e o Japão Corre!". A propósito... analisando nosso arredondado ataque... pode-se dizer que o Brasil róla! hahahah

Mas continuando com o meu post de hoje, ainda me sinto inspirado a criticar o cara, ainda que de maneira bem humorada, pois nunca se sabe quando o crítico passará a ser a vítima. Peço que se eu for, um dia, a vítima, que me algoz pelo menos tenha bom humor.

O fato é que o Galvão Bueno tem um quê de humorista. Ele é um cínico crítico - como eu - dos comentários infelizes do Arnaldo César Coelho, aquela figurinha rica de cara redonda que fica sentada ao lado do narrador traçando comentários óbvios de coisas evidentes ao longo das partidas de futebol. Mas para captar o sarcasmo do mestre Galvão tem que ter óculos de grau, daqueles que facilitam a leitura das entrelinhas.

No jogo do Brasil, logo de cara, ele tasca "Aí vem o árbitro francês Eric Poulat, que segundo o Arnaldo é pesado, tal tal tal..." E continuou falando, fusilando o telespectador com as informações do pré-jogo, e legando a pobre figura do Arnaldo àquele lugar chamado "segundo plano", que é um claustro frio, de onde é impossível que alguém te ouça gritar. Mas o sarcasmo do mestre estava lá, nas entrelinhas, quando tornou público o fato do Arnaldo conhecer o pêso do árbitro. Foi sutil, Galvão, você tá ficando craque.

terça-feira, 20 de junho de 2006


Papai do céu... faz o Galvão se tocar que o tempo dele já passou... mais uma copa não, papai do céu..

Galvão pra presidente

Coisas engraçadas do Galvão Bueno, que nunca vou esquecer.

Copa do mundo de 2002: a turma entra tocando pandeiro na sala da TV e o Galvão, todo eufórico e ao mesmo tempo atrapalhado, tasca: "Quero uma escuta no Rivaldo! Quero uma escuta no Rivaldo!"... :O

Campeonato Brasileiro 2005: O Galvão bueno começa a bater boca com o Arnaldo César Coelho sobre uma falta que o Arnaldo - porque já tinha errado na primeira - continuou afirmando que o cara se jogou acintosamente. Os dois ficam batendo bôca até que o Arnaldo tasca: "Pô, Galvão!".

Essa foi recente: Copa do mundo 2006: A fantástica visão que a equipe teve para transmitir o jogo Brasil e Austrália... do fundo do gol... essa foi pra cabá né...

a mais preciosa pérola do Galvão

Falem mal, mas falem de mim, deve estar pensando o Galvão. Com tanta gente de saco cheio com o cara, estão falando muito dele mesmo. E mal.

A mais preciosa pérola que eu já ouvi na transmissão esportiva em todos os tempos aconteceu neste último domingo, durante a transmissão do jogo Brasil e Austrália:

O Galvão, dado momento, estava tão radiante com a posição que foi colocado para transmitir, que tascou: "A posição em que estamos, aqui no fundo do gol, é privilegiada! A visão que temos das jogadas é fantástica! Todos os jogos deveriam ser transmitidos desse lugar!" Deixa a organização ouvir isso Galvão, e em todos os jogos até o fim da copa vocês da Globo terão essa posição tão excelente.

Descobri que sou um idiota! Tento imaginar o que é que eu tinha na cabeça... Desde pequeno, ao ir a um estádio, procurei sempre me posicionar o mais próximo possível do meio do campo, para ver as jogadas que acontecem nos dois "limites extremos" do campo. Nunca tinha cogitado a possibilidade de escolher um dos lados somente, e ter essa visão tão "privilegiada". Com o sacrifício do outro "limite extremo", claro.

O que dizer... Só tenho a agradecer ao Galvão Bueno, que transmitiu um jogo de trás do gol, por abrir os meus olhos.

Antes de concluir, uma perguntinha... Será que todos os jogos da Globo são transmitidos dali, ou essa posição "privilegiada" foi só no jogo do Brasil? Tento imaginar uma TV do Brasil, transmitindo um jogo do Brasil, do fundo do gol do adversário. Pelo menos um tempo. É... viva os monitores!

mais do Galvão

Esse blog eu recomendo. O cara consegue capturar os momentos mais brilhantes do mala do Galvão Bueno. Coisas que normalmente passam imperceptíveis, ele pega. E publica. Ótimo.

http://www.hajacoracao.com.br/

Divirta-se!

quarta-feira, 14 de junho de 2006

coisas do Galvão Bueno

Todo mundo viu, ou foi só eu?! Parece até implicância, mas olha só:

1 - Antes do jogo Brasil e Croácia, fazendo uma inteligente análise dos times do mundial, ele soltou a célebre pérola galvanística costumeira: "A Alemanha, que joga um negócio parecido com o futebol...". Pô Galvão... arrogante essa, não?!

2 - No intervalo do jogo Brasil e Croácia, o Galvão vira para o CasaGrande e tasca: "Tá dando pra gostar?". Se eu fosse o Casa, respondia: "É ruim hein?!"

3 - O Galvão disse no final da partida: "O Ronaldo teve uma certa dificuldade de movimentação...". Primeiro que, para o Galvão falar isso do RRRRRRRRRRonaldo, é que o trem tava feio mesmo. O Ronaldo andou em campo, amigo da rede Globo. Aliás nem andou, né. Mas a culpa não é dele. A culpa é do Parreira, que pôs ele. Tivemos que tolerar duas chatices: o futebol do RRRRRonaldo e a narrrrrração do Galvão.

sexta-feira, 9 de junho de 2006

pequenos flashes do mundial

Não sei se foi o Kibe Loco quem falou. Só sei que eu vi por aí em algum lugar. Festa por causa da copa mundial está contecendo em todos os cantos...

... menos na Alemanha.

pequenos flashes do mundial

O presidente LULA pergunta:
- Afinal o Ronaldo, tá gordo ou não tá?!

Se o Ronaldo pudesse responder, responderia com uma pergunta:
- Afinal o Lula sabia ou não sabia?!

terça-feira, 6 de junho de 2006

mundial 2006 - parte I

Muita exposição. É isso que chateia na mídia. Você, mesmo que não queira, fica sabendo de cada passo dos caras. Você liga a televisão querendo saber alguma novidade sobre o mundial, e consegue. Só que, junto, vem um caminhão de bobagens como... o horário que o Ronaldinho dormiu, que o Émerson tomou banho, que o Kaká telefonou pra mãe.

A novidade são as bolhas do Ronaldo. A maior delas está na região abdominal, e ninguém fala.

segunda-feira, 5 de junho de 2006

pmdbada

Por que o PMDB é o maior partido brasileiro?
Porque é exatamente isso que eles são
Todos eles, os políticos, o bando inteiro
é gente que dança de acordo com a canção.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u79249.shtml

quinta-feira, 1 de junho de 2006

Big Bank 1

Um dia comum de domingo, acordamos pela manhã com alguém batendo à nossa porta. Ao abrir, um oficial nos comunica que precisamos deixar a residência imediatamente.
-Mas como?! Estou com os aluguéis em dia!
-Não importa. O dono deve o banco. E o banco quer a casa.
Deixamos melancolicamente nosso lar. Os móveis, roupas, malas... tudo na rua. Sim, porque os caras eram bem eficientes.
Olhamos para os dois lados da rua, procurando um destino. Para nossa surpresa, havia muitas outras famílias na mesma situação. Bem, na verdade, todas as da rua. Da rua não, do bairro. Aliás, do País.
Procuramos um telefone para usar, mas infelizmente os bancos se apoderaram das empresas e seus serviços de telefonia e estavam fazendo auditorias e ajustes antes de iniciarem a administração direta.
Os ônibus, táxis e metrôs? Fechados e os equipamentos devidamente armazenados. O banco os havia tomado. As empresas não aguentaram os juros e quebraram.
Os serviços públicos foram todos interrompidos. O governo estava fazendo o esforço final para pagar a "repescagem da renegociação final do mínimo dos juros da dívida". Para os bancos, claro. Nada de alimentos, em lugar nenhum. Sem comida. Ninguém teve mais dinheiro para produzir. Os bancos não emprestam dinheiro para essa gente do nome sujo, esses agricultores.
Achamos que o banco de dados de negativação é o próprio banco de dados dos bancos, unificado. Todos os clientes estão lá. Todos os brasileiros, pelo menos.
Paramos para refletir. Como começar novamente? O que temos, como ponto de partida?
- Bem, temos oxigênio ainda. Sufocado ninguém morre. Também temos água. Basta cavar uma cisterna, ou se dirigir ao rio mais próximo. De sede também ninguém morre.

três coisas impossíveis:

- Chover de baixo pra cima.
- Assoviar e chupar cana.
- Banqueiro ir pro céu.

corte dos juros

Eu sou a favor do corte dos juros.
Acho que um homem de verdade não precisa ficar jurando por isso, por aquilo, por aqueloutro.
Um homem tem que ter palavra. Fio do bigode.

quinta-feira, 25 de maio de 2006

e por falar em astronauta...

Esta notícia (clique e rache o bico você também) mostra o que foi o impulso astronáutico brasileiro. Depois de alguns anos e cerda de US$ 10.000.000,00 (Dez milhões de d-ó-l-a-r-e-s), Marcos Pontes, nosso querido astronauta, resolveu ir para a reserva. E vai viver de palestras.

Vamos analisar.

Pegaram US$ 10.000.000,00 (Dez milhões de d-ó-l-a-r-e-s) do meu dinheiro e enfiaram no projeto e o sujeito beneficiado, depois de passear no espaço, resolveu ir para a reserva para viver de palestras?!

Não era para ele se tornar um ícone do desenvolvimento científico no Brasil?!

PS - Ainda que mal lhes pergunte... alguém vai devolver o meu dinheiro?!

ciência pura

Nos laboratórios obscuros de faculdades sinistras, escondidas pelo mundo afora, proliferam cientistas inescrupulosos capazes de qualquer coisa para provar as suas mais mórbidas teorias. E se valem de toda a tecnologia imaginável. São doentes. Aqui, uma demonstração.

Misturador de genes de cobaias

quarta-feira, 24 de maio de 2006

ódio declarado

Odeio Bancos. Odeio. Bancos, eu os odeio. Odeio mesmo. É ódio. Bancos, como os odeio. Odeio. Só vou parar de odiar o dia que um banqueiro for aceito no céu.

ouro de tolo

Não sei não, mas às vésperas da Copa do Mundo de Futebol, não consigo sentir entusiasmo nenhum com isso. Então hoje, por causa desse marasmo emocional, comecei a vasculhar a mente a procura de uns porquês. E achei.

Puxa vida, né... Nosso País celebrou, neste ano, a ida de um brasileiro ao espaço, por exemplo. E agora celebra nossa constelação de atletas disputando o campeonato mundial de futebol. Mas a quem isso tanto interessa, senão somente ao próprio ego?! Até porque um e outro são coisas vazias, desprovidas totalmente de valor, não acrescentam abolutamente nada. Zero. Em nosso bolso não entra nenhum, só sai.

Acho que eu me sentiria muito, mas muito mais motivado, se estivéssemos celebrando
a descoberta da cura da AIDS nos laboratórios de pesquisa no Brasil. Por um grupo de cientistas brasileiros. Ou a descoberta de uma nova forma de energia. Ou a conquista da capacidade de beneficiamento da matéria prima em todos os pólos do País (pra gente parar de vender bruto e recomprar beneficiado).

Por que não celebramos a miséria de nossa classe política? Ou a fome nos guetos das metrópoles? Talvez a qualidade de nossos serviços públicos... saúde, pra começar. Talvez a posse de todo o patrimônio do País pela meia dúzia de bancos que temos.